Voltei, câmbio! 

Depois de um desabafo nostálgico cheio de saudade que dei agora no Twitter. Vim me desculpar aqui com vocês por nunca mais tem escrevido algo.

  
Volto esta semana com relatos, podem aguardar! E vim anunciar o VALOR PROMOCIONAL ATÉ O DIA 30/11!

Horário para aproveitar o Valor Promocional: MANHÃ E TARDE! 

À noite o cachê será o preço normal. No período do dia, ficará assim:

R$ 250 1h

R$ 300 1h30m

R$ 350 2hras

Não vale ligar pra pedir por menos que isso pq acho sem lógica! Caso queiram mais barato, farei R$ 200 1h mais cobro 50 de taxi se for pela Ricardo Jafet, sendo que tem mais o motel, camisinhas e biritinhas!

Se o cidadão tiver alguma noção de matemática, saberá que o valor que estou fazendo é mais que justo! Então se ainda tá caro, solicite outra Gp! 

Meu atendimento é completo, meu local é super agradável então, acho justo demais! 

O recado foi dado! 

  

2 comentários em “Voltei, câmbio! 

  1. Olha só meu amor, deusa maravilhosa se eu já acho justíssimo o valor normal que vc cobra, por um local limpo, vc uma mulher linda e deliciosa que tem a sedução na pele, não tem como alguém reclamar de 250 reais, até porque vc vale muito mais tesão de mulher😜😜😜😜😜😜!!!!!!!!!!

    Curtir

  2. De Elisa Lucinda
    Mulata Exportação

    “Mas que nega linda
    E de olho verde ainda
    Olho de veneno e açúcar!
    Vem nega, vem ser minha desculpa
    Vem que aqui dentro ainda te cabe
    Vem ser meu álibi, minha bela conduta
    Vem, nega exportação, vem meu pão de açúcar!
    (Monto casa procê mas ninguém pode saber, entendeu meu dendê?)
    Minha tonteira minha história contundida
    Minha memória confundida, meu futebol, entendeu meu gelol?
    Rebola bem meu bem-querer, sou seu improviso, seu karaoquê;
    Vem nega, sem eu ter que fazer nada. Vem sem ter que me mexer
    Em mim tu esqueces tarefas, favelas, senzalas, nada mais vai doer.
    Sinto cheiro docê, meu maculelê, vem nega, me ama, me colore
    Vem ser meu folclore, vem ser minha tese sobre nego malê.
    Vem, nega, vem me arrasar, depois te levo pra gente sambar.”
    Imaginem: Ouvi tudo isso sem calma e sem dor.
    Já preso esse ex-feitor, eu disse: “Seu delegado…”
    E o delegado piscou.
    Falei com o juiz, o juiz se insinuou e decretou pequena pena
    com cela especial por ser esse branco intelectual…
    Eu disse: “Seu Juiz, não adianta! Opressão, Barbaridade, Genocídio
    nada disso se cura trepando com uma escura!”
    Ó minha máxima lei, deixai de asneira
    Não vai ser um branco mal resolvido
    que vai libertar uma negra:

    Esse branco ardido está fadado
    porque não é com lábia de pseudo-oprimido
    que vai aliviar seu passado.
    Olha aqui meu senhor:
    Eu me lembro da senzala
    e tu te lembras da Casa-Grande
    e vamos juntos escrever sinceramente outra história
    Digo, repito e não minto:
    Vamos passar essa verdade a limpo
    porque não é dançando samba
    que eu te redimo ou te acredito:
    Vê se te afasta, não invista, não insista!
    Meu nojo!
    Meu engodo cultural!
    Minha lavagem de lata!

    Porque deixar de ser racista, meu amor,
    não é comer uma mulata!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: